O Povo News

Queda de 80% no faturamento, cancelamentos... turismo amarga prejuízos por risco de colapso em mina da Braskem em Maceió

Setor sente impacto com desistência de reservas e passeios, mesmo em bairros que não estão na área de risco e até em cidades vizinhas.

A possibilidade de afundamento de uma das 35 minas de extração de sal-gema da Braskem no bairro do Mutange, em Maceió, fez o bairro do Pontal da Barra, ponto turístico que fica na outra margem da Lagoa Mundaú, registrar 80% de queda em seu faturamento. Por medo do risco de colapso no solo, turistas têm cancelado hospedagens até em cidades vizinhas.

O solo na área da mina instável já cedeu 1,87 m desde o dia 30 de novembro até esta terça-feira (5), de acordo com a Defesa Civil. Com 500 mil metros cúbicos, parte da mina fica sob a lagoa e a outra parte fica sob o continente. A proximidade com a lagoa fez com que o movimento de turistas caísse drasticamente no Pontal, que sequer está na área de risco.

“Eu fico triste com isso. Em novembro e dezembro, a gente costumava vender bastante as nossas peças, agora as lojas estão vazias”, lamentou a artesã Adriana Albuquerque, que tem no turismo sua principal fonte de renda.

Com a queda no ritmo do afundamento do solo na área da mina da Braskem, a Defesa Civil reduziu o alerta para risco de colapso. O órgão afirma que o rompimento não afetaria as áreas que estão ocupadas atualmente. Desde 2018, mais de 14 mil imóveis foram evacuados em 5 bairros da cidade.

Mesmo com as áreas turísticas fora de risco, os artesãos do Pontal amargam grandes prejuízos desde que o alerta foi emitido para o bairro do Mutange. “Não vemos turistas nas ruas. As pessoas precisam saber que não fomos atingidos pelas tragédia que está acontecendo, venham nos visitar”, disse Valéria de Sá, presidente da Associação das Artesãs do Pontal da Barra.

Além das artesãs, quem trabalha com passeios turísticos também é impactado. Jardson Custódio conta que os passeios de catamarã pela Lagoa Mundaú têm reunido cada vez menos gente e os barcos, que antes navegavam cheios, agora não atingem sequer 50% de sua capacidade.

“São grupos e grupos cancelando [os passeios], o pessoal nos hotéis também está cancelando, a gente está tendo uma grande dificuldade com toda essa repercussão”, afirmou Jardson Custódio.

 

 

Compartilhe nas redes sociais:

Leia mais

lula-e-lira
1_g20-35126769
bolsonaro-1
Deam Porto Seguro
IMAGEM_NOTICIA_1
nova-carteira-de-identidade-20191014-1133710293
doleira_nelma_kodama
Cristiano-Zanin-
DHFSHDSH
20240220_091958
Site-Sebrae-Redesoft
csm_crianca_desaparecida_pixabay_8a9c0285ea