O Povo News

Ex-deputado Plínio de Arruda Sampaio morre aos 83 anos em SP

G1, em Brasília – Foto: Arquivo/Agência Brasil

plinio sampaio dentro

O ex-deputado federal Plínio de Arruda Sampaio (PSOL-SP) morreu na terça-feiram 8 de julho, aos 83 anos, em São Paulo, em decorrência da falência de vários órgãos. Ele completaria 84 anos no próximo dia 26.

Promotor público aposentado, Plínio Sampaio estava internado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para tratar um câncer ósseo. Ele era casado havia quase seis décadas com Marietta Ribeiro de Azevedo e tinha seis filhos.

Filiado ao PSOL, o ex-parlamentar concorreu ao Palácio do Planalto nas eleições de 2010. Na ocasião, obteve 886 mil votos e terminou a disputa eleitoral na quarta colocação, com 0,87% dos votos válidos.

Ligado à Igreja Católica, Plínio ingressou na política no final da década de 1950, como subchefe da Casa Civil do então governador de São Paulo, Carvalho Pinto. À época, ele atuava na Juventude Universitária Católica, organização que surgiu a partir da Ação Católica Brasileira.

Paulistano, Plínio foi eleito pela primeira vez para a Câmara dos Deputados em 1962, pelo extinto Partido Democrata Cristão (PDC). Ao longo da carreira política, ele exerceu três mandatos como deputado federal.

No Legislativo, Plínio participou, em 2 de abril de 1964, da sessão que declarou vaga a Presidência da República no Congresso Nacional, ato que homologou o golpe ao presidente João Goulart.  No mesmo ano, ele foi cassado pelo Ato Institucional nº 1 e teve de se exilar no exterior.

Durante o regime militar (1964-1985), Plínio Sampaio viveu no Chile e nos Estados Unidos. Retornou ao Brasil em 1976, no início do processo de abertura política.

Ele foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT), em 1980. Redigiu o estatuto da legenda fundada por operários, sindicalistas e intelectuais. Nos anos 80, também se engajou na campanha das Diretas Já.

Saída do PT

Em 1982, concorreu a deputado federal, mas acabou não se elegeu – terminou como primeiro suplente do PT. Ele chegou a assumir uma cadeira na Câmara quando Eduardo Suplicy se licenciou do parlamento para concorrer à Prefeitura de São Paulo.

Na eleição seguinte, em 1986, Plínio Sampaio foi eleito pelo PT para a Assembleia Geral Constituinte, ocasião em que foi colega do então deputado federal Uldurico Pinto. Durante a elaboração da atual Constituição, ele defendeu um modelo de reforma agrária que previa o fim dos latifúndios.

Nas eleições estaduais de 1990, disputou o governo de São Paulo, mas foi derrotado.  O vencedor foi candidato do PMDB, Luiz Antônio Fleury Filho.

Em 2005, durante o escândalo do mensalão, Plínio de Arruda Sampaio se desfiliou do PT por discordar do resultado de uma eleição interna que escolheu o candidato do antigo Campo Majoritário, Ricardo Berzoini, para a presidência do partido. Na ocasião, outros nomes históricos petistas, como Hélio Bicudo, deixaram a legenda.

Após sair do PT, se filiou ao PSOL. Um ano depois, voltou a disputar o governo paulista, mas foi novamente derrotado. Com 532 mil votos, terminou em quarto lugar o pleito vencido pelo tucano José Serra (SP). A última eleição que Plínio Sampaio disputou foi em 2010, quando já tinha 80 anos. Ele concorreu a presidente da República pelo PSOL. Recebeu 886,8 mil votos e terminou em quarto lugar, atrás de Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV).

Mesmo octogenário, se tornou popular no microblog Twitter nos últimos anos ao se oferecer, quase diariamente, para responder a perguntas sobre política e religião. Ele tinha quase 83 mil seguidores na rede social.

Compartilhe nas redes sociais:

Leia mais

cerveja-bebida-alcool
Imagem do WhatsApp de 2024-06-13 à(s) 11.07
doacao-sangue-960x540
683c7fa5-0533-4870-99f4-bc5f0e1b9ff5-208x260
th
IMG_4219-750x375-1
Festival-Educadora-FM-2024-1-696x870
Untitled-1-1200x762_c
gasolinaabr
cigarro-eletronico
baixados (4)
Imagem do WhatsApp de 2024-06-11 à(s) 14.34