O Povo News

Após Copa do Mundo, alemães são acusados de calote no CT de Santo André

Correio da Bahia – Foto: Jornal O tempo

image

Parece que o amor pela Seleção da Alemanha na Bahia chegou ao fim para alguns. Um mês após o término da Copa no Brasil, os alemães estão sendo cobrados por conta de algumas pendências. Empresas e até artistas acusam a federação alemã de não pagar contas em Santa Cruz Cabrália, sul da Bahia. As pessoas que se sentem prejudicadas com a Seleção vão ingressar na Justiça para rever os seus direitos.

A empresa que geria esses serviços para os campeões do mundo chama-se Acquamarina Santo André Empreendimentos Imobiliários, criada especialmente para tocar o empreendimento imobiliário financiado pela DFB (federação alemã), visando a Copa do Mundo. Ela pertence a três sócios alemães.

Segundo informações do site globoesporte.com, Cassio Loredano, João Modet, Maria Nepomuceno, Rodrigo Braga, Tatiana Blass e Afonso Tostes e Marcone Moreira são artistas plásticos que foram contratados para  as instalações das casas dos atletas. Segundo eles, o valor recebido foi apenas da primeira parte do serviço. De acordo com o advogado que defende o grupo, Álvaro Piquet, a dívida ultrapassa o valor de € 100 mil (aproximadamente R$ 300 mil).

A Greenleaf, empresa responsável pelo gramado do Campo Bahia, CT construído e utilizado pelos alemães, também foi prejudicada. A empresa alemã deve quase R$ 166 mil pela instalação e manutenção do único campo do centro de treinamento. Até a empresa que fornece energia, a Companhia Elétrica do Estado da Bahia (Coelba), ficou sem receber. A conta de luz do centro de treinamentos que não teria sido paga está no valor de R$ 6.343,95.

Compartilhe nas redes sociais:

Leia mais

1_celia_e_sonia-35216099
mendonca
Lula-PPA-19-04-23-848x477
LPG_Bahia_27-09-23
images
lula-960x640
maxresdefault
84875474-e422-45a1-b240-8b5a15bcba55_971x666
Dengue-750x400
shutterstock_2188298169
170871393565d8e7cf60994_1708713935_1x1_md
exercito-3