O Povo News

PM suspeito de agredir jovem na BA ainda não compareceu à delegacia

O policial militar identificado como Paulo Vitor, suspeito de agredir a jovem Emily Viana Souza, de 19 anos, em um evento na cidade de Porto Seguro, que fica no extremo sul da Bahia, ainda não esteve na delegacia para prestar depoimento. O caso aconteceu no dia 18 de julho, no bairro Agrovila.

Emily sofreu uma fratura no rosto e cortou a língua após levar um soco, durante uma festa. A vítima disse ainda que não sabe o que motivou as agressões, já que não tinha nenhuma relação com o suspeito.

Na terça-feira (20), a Polícia Civil havia solicitado uma medida protetiva para a jovem, à Justiça. Nesta sexta (23), a instituição informou que aguarda a análise judicial do pedido.

G1 entrou em contato com o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA), para saber sobre a solicitação, mas ainda não obteve resposta.

Paulo Vitor não foi afastado das atividades e segue atuando como policial militar. A PM disse, em nota, que tomou conhecimento do fato pelas redes sociais e que abrirá uma sindicância na Corregedoria Setorial do 8º Batalhão da Polícia Militar, onde o suspeito trabalha, para apurar a situação.

Segundo a PM, se houver indícios de materialidade, seja pelo crime de agressão ou por transgressão disciplinar – que são ações contrárias aos preceitos da corporação –, além da confirmação de que o militar agrediu a jovem, medidas legais serão tomadas.

A PM não detalhou quais medidas, mas disse que não compactua com desvio de condutas, e que apura denúncias registradas na Corregedoria e da Ouvidoria da Instituição.

Agressão

 

Jovem de 19 anos denuncia agressão feita por PM em evento no extremo sul da Bahia — Foto: Arquivo Pessoal

Jovem de 19 anos denuncia agressão feita por PM em evento no extremo sul da Bahia — Foto: Arquivo Pessoal

O caso aconteceu por volta das 6h30 do domingo. Emily prestou depoimento na terça e fez exame de corpo de delito. Ao G1, ela contou que estava com amigos curtindo a festa, quando o suspeito – que também estava no evento se divertindo – a chamou e deu um tapa e um soco no rosto dela.

“Eu fui até ele e falei: ‘O que foi?’ Aí ele me deu um tapa. Eu lembro que no reflexo eu empurrei ele, porque ele estava na beira da piscina e eu fiz para afastar ele. Só que não consegui nem chegar perto, porque ele me deu um murro”, relatou.

“Eu caí tão forte, que eu bati na mesa, a mesa foi para trás e eu fui para o chão. Eu bati a cabeça no chão e não consegui levantar, porque eu estava tonta e meus amigos foram me ajudar”.

A vítima disse ainda que não sabe o que motivou as agressões, que não tinha nenhum tipo de relação com o suspeito. A jovem tem amizade com um amigo do agressor, que também estava na festa.

“Eu já levantei cuspindo sangue, porque cortou minha língua. Eu levantei, todo mundo veio para cima, eu pedi para me levarem para perto do banheiro, porque eu queria chorar”.

Depois de agredir Emily, o suspeito fugiu do local. Antes de sair do evento, ele xingou pessoas que estavam na festa e chegou a sacar a arma.

“Todo mundo revoltado com ele, com a situação. Ele e os amigos dele saíram imediatamente do local. Saíram gritando, xingando todo mundo, sacou arma, foi péssimo”, contou

(Com informações do G1)

Compartilhe nas redes sociais:

Leia mais

Ao-apresentar-um-ou-mais-sintomas-da-Dengue-e-imprescindivel-que-a-pessoa-procure-um-servico-de-saude-para-diagnostico-e-tratamento-adequado
buzu-obitos-1-1
stf-foto-divulgacao
01HV4N7Y4VV8557B82P3QDS2QT
download
incendio-Amazonia1
dengue
Lula
SergioMoro-Podemos-Filiacao-Candidatura-Presidente-AlvoaroDias-RenataAbreu-39-scaled-1-848x477-1
1664292344633315f8bf64b_1664292344_3x2_md
20240409_102426
Carros-transito