Polícia apura se jovem morto em Itabela participou de assassinato de irmãs

irmas_mortas_01

A Polícia Civil de Itabela apura se um jovem de 21 anos executado com vários tiros na cidade teria envolvimento no assassinato de duas irmãs, de 14 e 16 anos, achadas mortas pela família em um matagal na zona rural do município.

De acordo com o delegado Robson Andrade, Geisiel da Rocha Lima teria participado da morte das irmãs Jaciele Olinda dos Santos e Natiele Almeida de Oliveira, mas se arrependeu e contou para a família das vítimas onde os corpos foram deixados. Os comparsas, então, teriam ficado irritados e o mataram.

“Ele [Geisiel] teria participado, porém se arrependeu e avisou aos familiares onde os corpos teriam sido encontrados”, disse o delegado. Geisiel foi morto na tarde de domingo (2). A Polícia Civil abriu um inquérito para apurar os dois crimes e disse que quatro pessoas já foram ouvidas, entre elas a mãe das adolescentes mortas, Janete Almeida.

A mãe só prestou queixa na delegacia após os corpos serem encontrados, três dias depois das meninas saírem de casa para fazer uma matrícula numa escola, na quinta-feira.

“Não registrei porque a minha filha [Natiele] já tinha costume de sair e ficar oito dias fora. O que fez eu ir à procura foi que a minha filha adotiva não tinha esse costume. Mas a outra já tinha o costume de ficar uma semana sem dar notícia. Então, eu fiquei achando que ela iria aparecer “, disse Janete. Segundo o delegado, nenhuma das irmãs tinha passagem pela polícia.

Caso

Duas adolescentes, de 14 e 16 anos, foram achadas mortas pela família na cidade de Itabela, no sul da Bahia. De acordo com a Polícia Civil, as vítimas eram irmãs de criação e foram encontradas dentro de uma cova rasa, na manhã de domingo (2). Conforme a polícia, as garotas estavam desaparecidas desde o início da noite de quinta-feira (30).

Ainda de acordo com a polícia, os corpos das vítimas estavam em uma área de mata de difícil acesso, e já em estado de decomposição. Ao redor da cova foram encontrados projéteis de arma de fogo. A polícia informou que a mãe das adolescentes disse que uma das garotas era amiga de traficantes da cidade.

“Por causa de um relacionamento com alguns traficantes, eles ficaram com raiva e vieram a ceifar a vida dela”, disse o delegado.

Os corpos foram encaminhados para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Eunápolis e foram liberados ainda no domingo. Conforme a necropsia, as vítimas estavam com as mesmas roupas que usavam quando desapareceram e não havia sinais de violência sexual.

A polícia disse ainda que uma das vítimas estava com um relógio dourado no punho, o que, inicialmente, eles descartam o latrocínio (roubo seguido de morte). (Fonte: G1 BA – Foto: Reprodução/TV Santa Cruz)

Compartilhe:

Deixe seu comentário


Veja mais


O POVO NEWS

Fale com a gente