Joesley volta ao Brasil e depõe sobre repasses a Lula e Dilma

O empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, divulgou um comunicado nesta terça-feira (13) no qual informou que que voltou ao Brasil no domingo. Joesley estava no exterior desde que foi divulgada a informação de que ele e outros executivos do grupo fecharam acordo de delação premiada.

No comunicado, Joesley diz que participou de reuniões nesta segunda-feira (12), em Brasília, e de encontros de trabalho nesta terça (13), em São Paulo.

Segundo o Jornal Nacional, o empresário prestou novo depoimento nesta segunda à Procuradoria da República em Brasília, na investigação sobre dinheiro em contas no exterior destinado pela JBS aos ex-presidentes Lula e Dilma – como ele apontou na delação; os ex-presidentes negam as acusações.

O depoimento desta segunda ocorreu pela manhã e o diretor da J&F Ricardo Saud, outro delator da Lava Jato, também foi ouvido.

Joesley e Saud prestaram esclarecimentos ao procurador da República Ivan Cláudio Marx no âmbito de um Procedimento Investigatório Criminal (PIC) instaurado para apurar o repasse de recursos por parte do grupo empresarial ao Partido dos Trabalhadores, por intermédio do ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Os recursos, originários de contratos com o BNDES, Funcef e Petros, teriam contas no exterior como garantia, cujos extratos seriam mostrados por Mantega aos ex-presidentes Lula e Dilma. A informação que motivou a abertura do PIC consta do acordo de colaboração premiada firmada pelo empresário com a Procuradoria Geral da República (PGR) e homologada pelo Supremo Tribunal Federal. Como não envolvem pessoas com prerrogativa de foro, o caso foi enviado à primeira instância, tramitando de forma reservada na Procuradoria da República no Distrito Federal.

Na delação, Joesley Batista disse que depositou US$ 150 milhões em contas no exterior a pedido do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e que esse dinheiro seria propina relacionada a empréstimos e aportes financeiros do BNDES. O dinheiro teria financiado campanhas políticas.

Novo depoimento

Além do depoimento desta segunda, Joesley também deverá prestar um novo depoimento – desta vez à Polícia Federal – sobre as investigações da Operação Bullish, que apura suposto favorecimento do BNDES à JBS.

O juiz da operação, Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, autorizou que Joesley fosse avisado com antecedência.

O empresário disse que viajou com autorização da Justiça brasileira e que estava na China e “não passeando na Quinta Avenida, em Nova York”.

A J&F não confirmou a agenda de Joesley Batista no Brasil.

Íntegra

Leia abaixo a íntegra do comunicado de Joesley Batista:

O empresário Joesley Batista informa que está no Brasil desde domingo passado.

Ele se ausentou do Brasil nos últimos dias para proteger a integridade de sua família, que sofreu reiteradas ameaças desde que ele se dispôs a colaborar com o Ministério Público.

Joesley Batista estava na China – e não passeando na Quinta Avenida, em Nova York, ao contrário do que chegou a ser noticiado e caluniosamente dito até pelo presidente da República. Não revelou seu destino por razões de segurança. Viajou com autorização da Justiça brasileira.

O empresário esteve ontem, segunda-feira, em Brasília, em reuniões. Hoje, participou de encontros de trabalho em São Paulo.

Joesley é cidadão brasileiro, mora no Brasil, paga impostos no Brasil e cria seus filhos no Brasil. Está pessoalmente à disposição do Ministério Público e da Justiça brasileiros para colaborar de forma irrestrita no combate à corrupção.

G1

Compartilhe:

Deixe seu comentário


Veja mais


O POVO NEWS

Fale com a gente